931 Gasc | História

História

Em 1978, Barcelos viu nascer o Grupo de Acção Social Cristã.

Impelido pela vontade de ajudar o outro, o Padre Pojeira desafiou um grupo de voluntários da Igreja de Santo António que, prontamente, se comprometeu com o espírito solidário e com a nobre missão que lhes era proposta - apoiar a população mais desfavorecida do concelho.

Não ficaram indiferentes às reais necessidades e puseram em prática várias ações solidárias.

O Apoio Alimentar, como resposta à mais básica das necessidades humanas, foi a primeira preocupação deste grupo. Neste sentido, surgiu o Serviço à Vida, com a distribuição de sopas e sandes pelas ruas.

Com o trabalho de maior proximidade, o GASC sensível à necessidade de complementar a sua intervenção social, criou a resposta do Banco Alimentar – um apoio mensal às famílias mais carenciadas, especialmente reforçado pela altura de Natal.

Mais tarde, em 1998, já com o reconhecimento da comunidade em geral e do Município em particular, foi disponibilizado um espaço – o Refeitório Social – que possibilitou ao GASC responder de forma mais completa a situações de extrema pobreza e vulnerabilidade social. Concretamente, foi criado um serviço de refeições, de lavandaria e de balneários a funcionar todos os dias do ano.

Já registado como IPSS, o GASC decidiu investir no apoio a uma nova problemática e integra o Plano Municipal de Prevenção Primária da Toxicodepência – com o projeto Cooperar para Mudar.

Em 2005, o GASC reforçou e alargou a sua intervenção a outras áreas, ao celebrar 3 Acordos de Cooperação com o Centro Distrital da Segurança Social de Braga. Por um lado, formalizou-se a valência do Refeitório Social, por outro lado, criaram-se duas novas valências: o Centro de Apoio à Mulher e o Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social. Sem Acordo de Cooperação celebrado, arrancou em paralelo com o Espaço de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica.

De forma inovadora, arrancou em 2009 a primeira edição do Projeto Sorrir - Consulta Multidisciplinar para pessoas com dependência de substâncias ilícitas e álcool do concelho de Barcelos, sob a alçada do antigo Instituto da Droga e da Toxicodependência, IP., no eixo do tratamento. Mais tarde, ainda no âmbito da problemática das dependências e sob a alçada do mesmo instituto, mas desta vez no eixo da prevenção, candidatou-se ao Projeto PES – Prevenção, Educação e Saúde.

O fenómeno da Violência Doméstica, que já era objeto de intervenção do GASC desde 2005, viu reforçadas e alargadas as respostas existentes, com a dinamização do Projeto A Teu Lado, cofinanciado pela medida 7.3 do Programa Operacional Potencial Humano. Destacou-se particularmente entre as várias atividades, o desafio do atendimento a agressores conjugais.

Ainda no que se refere a projetos, o GASC desenvolveu um Curso de Cuidados de Beleza, no âmbito da medida 6.1 do POPH, voltado para a Formação para a Inclusão.

Desde dezembro de 2013, por convite do Centro Distrital de Braga, o GASC vê formalizado um novo protocolo que permitiu a operacionalização da resposta Cantina Social, no âmbito do Programa de Emergência Alimentar, que se carateriza pela entrega diária de uma refeição já confecionada, privilegiando o consumo no domicilio. 

Em setembro de 2016, concretiza a Rede Local de Intervenção Social que assegura o atendimento e acompanhamento social a 46 freguesias da margem sul do rio Cávado. Mais recentemente, desde janeiro de 2017, operacionaliza o Projeto SER - Serviço Especializado em Rede de Combate e Prevenção à Violência Doméstica e de Género, com várias iniciativas que envolvem o atendimento e acompanhamento de vítimas e a promoção da igualdade. Ambos os projetos são dinamizados no âmbito do programa Portugal 2020, através do Fundo Social Europeu. 

A história mostra que o GASC, de um grupo de voluntários com vontade de mudar e de agir, foi crescendo e assegura hoje uma multiplicidade de respostas de intervenção social. Conta com uma vasta equipa multidisciplinar, que veste a camisola, que vive a mesma missão e que assume o compromisso herdado pelos fundadores. 

A sua opinião conta